Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


terça-feira, 13 de junho de 2017

Pedro II do Brasil - Postado por Antonio Morais.


Quando D. Pedro II do Brasil subiu ao trono em 1840, 92% da população brasileira era analfabeta, em seu último ano de reinado em 1889, essa porcentagem era de 56%, devido ao seu grande incentivo a educação, a construção de Faculdades e principalmente de inúmeras Escolas que tinham como modelo o excelente Colégio Pedro II.

A bandeira nacional brasileira tem entre as cores o verde e o amarelo pois a mãe de Pedro II do Brasil, a Imperatriz Leopoldina idealizou e costurou a primeira bandeira nacional sendo o verde a cor símbolo da casa real dos Bragança e o amarelo da casa real dos Habsburgo. Diferentemente como muitos pensam o verde não representa as matas e o amarelo não representa o ouro. Além disso seu pai Pedro I que compôs o nosso primeiro hino nacional que sofreu modificações ao longo da república.

Pedro II do Brasil é Patrono do Corpo de Bombeiros e da Astronomia. Em 1887, a média da temperatura na cidade do Rio de Janeiro era 24° no ano. No mesmo ano a máxima no verão carioca no mês de janeiro foi de 29°.
A Imperatriz Teresa Cristina cozinhava as próprias refeições diárias da família imperial apenas com a ajuda de uma empregada, paga com o salário de Pedro II.
Em 1871, a Imperatriz Teresa Cristina doou todas as suas joias pessoais para a causa abolicionista, deixando a elite furiosa com tal ousadia. No mesmo ano A Lei do Ventre Livre entrou em vigor, assinada por sua filha a Princesa Imperial Dona Isabel.

1880 - O Brasil era a 4º Economia do Mundo e o 9º Maior Império da História.
1860 - 1889 - A Média do Crescimento Econômico era de 8,81% ao Ano.
1880 - Eram 14 Impostos, atualmente são 98.
1850 - 1889 - A Média da Inflação era de 1,08% ao Ano.
(1880 - A Moeda Brasileira tinha o mesmo valor do Dólar e da Libra Esterlina.
1880 - O Brasil tinha a Segunda Maior e Melhor Marinha do Mundo. Perdendo apenas para Inglaterra.
1860-1889 - O Brasil foi o primeiro país da América Latina e o segundo no Mundo a ter ensino especial para deficientes auditivos e deficientes visuais.
1880 - O Brasil foi o maior construtor de estradas de Ferro do Mundo, com mais de 26 mil Km.

A imprensa era livre tanto para pregar o ideal republicano quanto para falar mal do nosso Imperador. "Diplomatas europeus e outros observadores estranhavam a liberdade dos jornais brasileiros" conta o historiador José Murilo de Carvalho. "Schreiner, ministro da Áustria, afirmou que o Imperador era atacado pessoalmente na imprensa de modo que 'causaria ao autor de tais artigos, em toda a Europa, até mesmo na Inglaterra, onde se tolera uma dose bastante forte de liberdade, um processo de alta traição'." Mesmo diante desses ataques, D. Pedro II se colocava contra a censura. "Imprensa se combate com imprensa", dizia.

"Quanto às minhas opiniões políticas, tenho duas, uma impossível, outra realizada. A impossível é a república de Platão. A realizada é o sistema representativo [a Monarquia]. É sobretudo como brasileiro que me agrada esta última opinião, e eu peço aos deuses (também creio nos deuses) que afastem do Brasil o sistema republicano, porque esse dia seria o do nascimento da mais insolente aristocracia que o sol jamais alumiou".


MACHADO DE ASSIS.

ESCRITOR E FUNDADOR DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS.
01 - A média nacional do salário dos professores estaduais de Ensino Fundamental em (1880) era de R$ 8.958,00 em valores atualizados.
02 - Entre 1850 e 1890, o Rio de Janeiro era conhecido na Europa como “A Cidade Dos Pianos” devido ao enorme número de pianos em quase todos ambientes comerciais e domésticos.
03 - O bairro mais caro do Rio de Janeiro, o Leblon, era um quilombo que cultivava camélias, flor símbolo da abolição, sendo sustentado pela Princesa Isabel.
04 - O Maestro e Compositor Carlos Gomes, de “O Guarani” foi sustentado por Pedro II até atingir grande sucesso mundial.
05 - Pedro II tinha o projeto da construção de um trem que ligasse diretamente a cidade do Rio de Janeiro a cidade de Niterói. O projeto em tramito até hoje nunca saiu do papel.
06 - Pedro II mandou acabar com a guarda chamada Dragões da Independência por achar desperdício de dinheiro público. Com a república a guarda voltou a existir.
07 - Em 1887, Pedro II recebeu os diplomas honorários de Botânica e Astronomia pela Universidade de Cambridge.
08 - Desconstruindo boatos, D. Pedro II e o Barão/Visconde de Mauá eram amigos e planejaram juntos o futuro dos escravos pós-abolição. Infelizmente com o golpe militar de 1889 os planos foram interrompidos.
09 - Oficialmente, a primeira grande favela na cidade do Rio de Janeiro, data de 1893, 4 anos e meio após a Proclamação da República e cancelamento de ajuda aos ex-cativos.
10 - D. Pedro II tinha 1,91m de altura, quando a média dos homens brasileiros era de 1,70m e mulheres 1,60m.
11 - Na época do golpe militar de 1889, D. Pedro II tinha 90% de aprovação da população em geral. Por isso o golpe não teve participação popular.
12 - José do Patrocínio organizou uma guarda especialmente para a proteção da Princesa Isabel, chamada “A Guarda Negra”. Devido a abolição e até mesmo antes na Lei do Ventre Livre, a princesa recebia diariamente ameaças contra sua vida e de seus filhos. 

As ameaças eram financiadas pelos grandes cafeicultores escravocratas. 

01 - O Paço Leopoldina localizava-se onde atualmente é o Jardim Zoológico.
02 - O Terreno onde fica o Estádio do Maracanã pertencia ao Duque de Saxe, esposo da Princesa Leopoldina.
03 - Santos Dumont almoçava 3 vezes por semana na casa da Princesa Isabel em Paris.
04 - A ideia do Cristo na montanha do corcovado partiu da Princesa Isabel.
05 - A família imperial não tinha escravos. Todos os negros eram alforriados e assalariados, em todos imóveis da família.
06 - D. Pedro II tentou ao parlamento a abolição da escravatura desde 1848. Uma luta contra os poderosos fazendeiros por 40 anos.
07 - D. Pedro II falava 23 idiomas, sendo que 17 era fluente.
08 - A primeira tradução do clássico árabe “Mil e uma noites” foi feita por D. Pedro II, do árabe arcaico para o português do Brasil.
09 - D. Pedro II doava 50% de sua dotação anual para instituições de caridade e incentivos para educação com ênfase nas ciências e artes.
10 - D. Pedro Augusto Saxe-Coburgo era fã assumido de Chiquinha Gonzaga.
11 - Princesa Isabel recebia com bastante frequência amigos negros em seu palácio em Laranjeiras para saraus e pequenas festas. Um verdadeiro escândalo para época.
12 - Na casa de veraneio em Petrópolis, Princesa Isabel ajudava a esconder escravos fugidos e arrecadava numerários para alforriá-los.
13 - Os pequenos filhos da Princesa Isabel possuíam um jornalzinho que circulava em Petrópolis, um jornal totalmente abolicionista.
14 - D. Pedro II recebeu 14 mil votos na Filadélfia para a eleição Presidencial, devido sua popularidade, na época os eleitores podiam votar em qualquer pessoa nas eleições.
15 - Uma senhora milionária do sul, inconformada com a derrota na guerra civil americana, propôs a Pedro II anexar o sul dos Estados Unidos ao Brasil, ele respondeu literalmente com dois “Never!” bem enfáticos.
16 - Pedro II fez um empréstimo pessoal a um banco europeu para comprar a fazenda que abrange hoje o Parque Nacional da Tijuca. Em uma época que ninguém pensava em ecologia ou desmatamento, Pedro II mandou reflorestar toda a grande fazenda de café com mata atlântica nativa.
17 - A mídia ridicularizava a figura de Pedro II por usar roupas extremamente simples, e o descaso no cuidado e manutenção dos palácios da Quinta da Boa Vista e Petrópolis. Pedro II não admitia tirar dinheiro do governo para tais futilidades. Alvo de charges quase diárias nos jornais, mantinha a total liberdade de expressão e nenhuma censura.
18 - Thomas Edson, Pasteur e Graham Bell fizeram teses em homenagem a Pedro II.
19 - Pedro II acreditava em Alan Kardec e Dr. Freud, confiando o tratamento de seu neto Pedro Augusto. Os resultados foram excelentes deixando Pedro Augusto sem nenhum surto por anos.
20 - D. Pedro II andava pelas ruas de Paris em seu exílio sempre com um saco de veludo ao bolso com um pouco de areia da praia de Copacabana. Foi enterrado com ele.


A Princesa Isabel já em seu exílio em 1904 foi perguntada por que a família raramente usava as joias Imperiais no Brasil. Princesa Isabel respondeu que tanto ela como sua mãe, sabia que aquelas joias não as pertenciam. Que poderiam usar a qualquer hora em qualquer ocasião, mas raramente enxergavam motivos para usa-las. “Ainda mais se tratando de adornos grandes, pesados e de extrema “arrogância” com nosso povo”.

Em Particular a Imperatriz Teresa Cristina sempre foi alvo de jornais e nobres da época por sua simplicidade e falta de capricho em seus trajes e adornos. Sempre muito discreta, só usava suas joias de cunho pessoal, nunca usou as joias do cofre Imperial, as tais “joias da coroa”. A mídia zombava de uma Imperatriz que se vestia como uma senhora de classe média.

A maioria das joias particulares de família foram leiloadas e outras roubadas pelos militares dias após o Golpe de 1889. Já as joias Imperiais foram totalmente saqueadas pelos militares.
Teresa Cristina foi a maior responsável pelo começo da imigração italiana para o Brasil.
Teresa Cristina era uma ótima cantora lírica e pianista.

O Brasil atualmente possui a maior coleção arqueológica da América Latina graças à Teresa Cristina.
Pedro doou pouco antes de sua própria morte muitas de suas possessões para o governo republicano brasileiro, que posteriormente foram divididas entre o Arquivo Nacional, o Museu Imperial, a Biblioteca Nacional e o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Sua única condição era que esse presente fosse nomeado em homenagem a sua falecida esposa, e assim hoje ela é conhecida como a "Coleção Teresa Cristina Maria". 

A coleção é registrada pela UNESCO como patrimônio da humanidade no Programa Memória do Mundo.
Em uma viagem de trem pela Alemanha Pedro soube que o filósofo odiado por muitos Friedrich Wilhelm Nietzsche estava em uma cabine próxima , então Pedro apresentou-se como um cidadão comum , conversaram durante 5 horas , apenas após a longa conversa em alemão confessou ser Imperador do Brasil , quando o radical e avesso a monarquias ouviu a confissão levantou-se , começou a rir ; disse que nunca imaginaria como um homem tão simples , educado e inteligente poderia ser monarca de um império tão grande . Friedrich Wilhelm Nietzsche e D. Pedro II do Brasil correspondiam-se mensalmente dividindo ideias e assuntos íntimos de sua vida afetiva conturbada mantendo esse contato e admiração até sua morte .

Dom Pedro II estava em Paris e não poderia deixar a cidade sem conhecer Victor Hugo, por quem nutria grande admiração. Contrariando todas as orientações diplomáticas, pediu, por meio da embaixada brasileira, que Victor Hugo viesse visitá-lo no hotel onde estava hospedado. A resposta do escritor francês não poderia ter sido mais dura e deselegante: "Victor Hugo não vai à casa de ninguém...". A surpresa da resposta grosseira mal educada só não foi maior do que a nobreza de Dom Pedro II. Após duas outras tentativas frustradas, ele mesmo decidiu ir ao encontro de Victor Hugo. Na manhã do dia 22 de maio, Dom Pedro bateu à porta do apartamento do escritor, na rue Clichy, 21 – centro de Paris. Surpreso em choque, Victor Hugo abriu a porta e ao longo das horas o coração. A conversa durou extensas 12 horas. Nascia ali uma linda e respeitosa amizade. Victor Hugo morreu oito anos depois. Quando este faleceu, a filha de Victor Hugo prestou homenagem ao leal amigo de seu pai, mandando lhe manuscritos inéditos de várias obras. Pedro II e Victor Hugo trocavam correspondências semanalmente.

Quando o imperador partia do encontro – já era bastante tarde – Victor Hugo disse-lhe, com seu fino e espiritual sorriso: Sire, eu não saberia vos dizer como estou contente que não tenha na Europa soberano como vós. – Como assim? Pergunta Dom Pedro. – Porque, responde Victor Hugo, nós estaríamos fortemente complicados, eu e meus amigos republicanos, para não dizer que iríamos ter infinitas dificuldades em nossa crença! Dom Pedro II explode de rir e vai embora como homem amável e de bom espírito. Victor Hugo grita já ao longe “Sorte do Brasil!” “Viva o Imperador Cidadão!”.

Todos familiares foram expulsos com a roupa do corpo , a Imperatriz do Brasil Dona Teresa Cristina , não pode nem levar uma maleta com algumas mudas de roupas para trocar no decorrer da viagem . Seu neto e grande amigo Pedro Augusto que já sofria de esquizofrenia e tinha melhorado bastante graças as visitas do doutor Freud e ajuda de Alan Kardec , teve um novo surto , talvez o pior de todos de sua vida , tentando jogar se ao mar gritando por socorro e amordaçado por militares a mando de Deodoro . Pombos com mensagens e bilhetes de ajuda dentro de garrafas foram jogados em meio a saída da baía de Guanabara e até mesmo em alto mar , foram inúteis , mesmo com algumas garrafas que chegaram ao litoral carioca , paulista , cearense e baiano dias depois...

O povo acordou no dia seguinte com tropas militares desfilando e espancando a população que em estado de choque não entendia o que estava acontecendo . Vários artistas e intelectuais da música , do teatro , jornalistas , escritores , poetas foram exilados para Angola e Amazônia . Além do começo de uma grande ditadura e o rompimento de todos os processos sociais de melhoria da vida dos recém libertos da abolição e o fechamento dos principais jornais da época que começaram a sofrer severa censura por tempo indeterminado.

Reforçando ainda este ideal de que a educação foi fundamental para o caráter de Dom Pedro II, Barman, evidencia que “O Imperador considerava a educação como de importância nacional e era ele mesmo um exemplo do valor do aprendizado.”. Heitor Lyra expõe em seu livro ‘História de Dom Pedro II (1825–1891)’ uma fala do imperador em que fica claro o enraizamento da intelectualidade no seu pensamento, onde ele diz que “Se não fosse Imperador, gostaria de ser um professor. Não conheço tarefa mais nobre do que direcionar as jovens mentes e preparar os homens de amanhã”.

Dois anos e meio após a morte de Leopoldina, o imperador casou-se com Amélia de Leuchtenberg. O Príncipe Pedro passou pouco tempo com sua madrasta; no entanto, criaram um relacionamento muito afetuoso e mantiveram contato até a morte dela em 1873. O imperador Pedro I abdicou em 7 de abril de 1831, após um longo conflito com a facção liberal (que por sua vez iria mais tarde dividir-se nos dois partidos dominantes na monarquia, o Conservador e o Liberal) dominante no parlamento. Ele e Amélia partiram imediatamente para a Europa, onde Pedro I iria lutar para restaurar sua filha Maria II, cujo trono em Portugal foi usurpado por seu irmão Miguel I. Deixado para trás, o Príncipe Imperial Pedro tornou-se "Dom Pedro II, Imperador Constitucional e Defensor Perpétuo do Brasil". Um Defensor de 5 anos de idade.

O imperador teve uma infância muito solitária e muito infeliz. A perda súbita de seus pais o assombraria por toda a vida; ele não teve amigos de sua idade e o contato com suas irmãs era limitado. O ambiente em que foi criado o tornou tímido e carente, enxergando nos livros refúgio e fuga do mundo real.

Apesar de Pedro II cultivar a aparência física de um homem com longa barba, sempre com livros a mão e precocemente cabelos grisalhos, ele possuía uma voz aguda e desafinada, contraponto com seus 1,90m de altura. Ele forçava muitas vezes a voz para ficar mais grave mas acabava perdendo o controle vocal. Isso era motivo de chacota entre os “nobres” da época.

“Um barbudo de 40 anos e 1.90m de altura com voz de um menino adolescente de 15 anos”.

O Brasil tinha a maior quantidade e com qualidade de médicos, engenheiros, juízes, diplomatas e advogados das Américas entre 1876-1889. As Faculdades brasileiras eram poucas, porém com padrão bem elevado de ensino.

Pedro II criou uma cota para negros alforriados ingressarem no Colégio Pedro II e nas Faculdades. Essa cota não foi aprovada pelo parlamento, porém Pedro II tirou de seus próprios proventos a garantia da cota. No período de 1872 e 1889 centenas de ex-cativos se tornaram médicos, advogados, engenheiros... Graças a chamada “bolsa do imperador”.

Pedro II gostava de conhecer as grandes novidades tecnológicas que emergiam em uma velocidade assustadora no fim do século XIX. Um exemplo que muitos sabem, o Brasil foi o grande pioneiro na aquisição da fotografia em 1840 e do telefone em 1876, mas poucos sabem que também foi Pedro II um dos primeiros a gravar sua voz em um novo aparelho sem nome definido na época, o pai do gravador e do microfone, Pedro II, a Princesa Isabel e o neto de Pedro II, Pedro Augusto gravaram suas vozes nesse aparelho que era o novo experimento da Casa Edson. Infelizmente as gravações só podiam ser ouvidas uma única vez e o disco feito de cera se desfazia, porém existem relatos e rumores que há gravações de suas vozes em poder dos Orleans na Europa até hoje.

4 comentários:

  1. Um pouco sobre a Monarquia brasileira.

    ResponderExcluir
  2. Caro Morais:
    Matéria densa, esclarecedora e veraz!
    Hoje, se compararmos o que era o Brasil Império, com a republiqueta corrupta e incompetente de hoje, chegamos à conclusão de que a elite republicana – ao efetuar o golpe militar que derrubou o regime monárquico – tolheu o grande destino do Brsil que era ser uma das potências do mundo.

    ResponderExcluir
  3. --- 2 --
    Um amigo meu, já falecido, o empresário Antônio Corrêa Celestino, dizia que a massa ignara brasileira era composta por um bando de macacos retardados. Verdade.
    Ainda hoje mesmo na chamada elite, vemos levas de trogloditas defendendo o atraso. Basta ver que 95% dos “doutores” que ensinam nas universidades públicas defendem o modelo implantado pelo PT, que levou o Brasil republicano aos caos de hoje.

    ResponderExcluir
  4. --- 3 ---
    Não é pouca coisa o reconhecimento do rombo deixado pelos governos da petralha. Tanto Lula como a ex-guerrilheira Dilma viviam num mundo dissociado da realidade das outras nações sérias do planeta. No último pleito a dupla de marqueteiros (João Santana/Monica Moura) produziu uma propaganda eleitoral mentirosa e enganosa, inventando números e “realidades” para enganar a população brasileira. Coisa de Republiquetas de bananas. E ainda hoje tem troglodita que defende o regime de mentiras que só males trouxeram à nação.

    ResponderExcluir